Vargas Llosa: “Seríamos piores do que somos sem os bons livros que lemos”

Mario Vargas Llosa aprendeu a ler aos cinco anos, nas aulas do irmão Justiniano, no Colegio de la Salle, em Cochabamba, na Bolívia. “Essa foi a coisa mais importante que me aconteceu na vida”, disse o escritor no seu discurso de 50 minutos como Nobel da Literatura, hoje à tarde na Academia sueca de Estocolmo, na Suécia.

A leitura convertia o sonho em vida e a vida em sonho, afirmou o autor de “O Sonho do Celta” (ed. Quetzal), e punha o universo da literatura ao alcance da amostra de gente que ele então era. “Quase 70 anos depois recordo com nitidez como essa magia, traduzir as palavras dos livros em imagens, enriqueceu a minha vida, rompendo as barreiras do tempo e do espaço e permitindo-me viajar com o Capitão Nemo vinte mil léguas de viagem submarina, lutar com d’Artagnan, Athos, Portos e Aramis contra as intrigas que ameaçam a Rainha nos tempos do sinuoso Richelieu, ou arrastar-me pelas entranhas de Paris, convertido em Jean Valjean, com o corpo inerte de Marius às costas”, acrescentou.

Para continuar lendo, clique aqui e acesse o post original, do Ciberescritas.