* trechos de livros que andam por aí (xix)

Tirou, da mesma gaveta da qual havia tirado o fumo, uma pasta azul que continha uma grande etiqueta em que se podia ler: “Arquivo de poemas abandonados”.

Lembro-me muito bem das cinqüenta folhas em que havia escrito com tinta vermelha os poemas que abandonava, poemas que, de fato, jamais passavam do primeiro verso; lembro-me muito bem de algumas dessas folhas de um único verso:

Amo o twist de minha sobriedade.

Seria fantástico ser como os outros.

Não vou dizer que um sapo seja.

(In “Bartleby e Companhia“, de Enrique Vila-Matas,  Ed. Cosac y Naify)

 

Para um trecho maior, clica aqui.